Participe das Iniciativas

O SulAmérica Saúde Ativa foi feito para você! Por isso trazemos iniciativas
para uma vida mais saudável, que oferecem cuidados por completo.

Iniciativa desejada

Dados pessoais

/ /
-
*Campos obrigatórios

As Iniciativas Saúde Ativa estão disponíveis para os Segurados SulAmérica Saúde. Para conhecê-las, clique em Pra Você > Iniciativas.

Se preferir, entre em contato via e-mail saudeativa@sulamerica.com.br ou pela Central de Atendimento
SulAmérica 0800-970-0500 para tirar suas dúvidas ou participar da iniciativa.

Recebemos seu interesse em participar do Saúde Ativa! Em breve entraremos em contato.
OK

Matérias



Adenomiose e Endometriose: qual é a diferença? Saúde da Mulher

Home > Matérias > Saúde da Mulher > Adenomiose e Endometriose: qual é a diferença?

Adenomiose e Endometriose
Apesar de terem nomes parecidos e estarem relacionadas ao endométrio, a adenomiose e a endometriose são doenças crônicas ginecológicas diferentes e comuns entre a população feminina.

 

Conheça as características de cada uma e como elas podem afetar a qualidade de vida da mulher:

 

Adenomiose

 

A adenomiose é caracterizada pela invasão do endométrio, tecido que reveste a parte interna do útero, na musculatura uterina. Estima-se que 35% das mulheres afetadas não manifestam sintomas e as demais apresentam sangramento menstrual abundante, cólicas intensas e infertilidade.

Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, a prevalência da adenomiose é de 31% a 61,5% das mulheres. Entre os principais fatores de risco estão idade entre 40 e 50 anos, gravidez de gêmeos, gravidez etópica, cirurgia anterior no útero, tabagismo e depressão.

 

Endometriose

 

Essa condição ocorre quando o endométrio é formado fora do útero, em órgãos próximos, como ovários, trompas, bexigas e intestino. Cólicas fortes (presente em 90% a 95% dos casos), dor pélvica não relacionada à menstrução, constipação intestinal, dor na vagina e infertilidade são alguns dos sintomas.

 

A endometriose acomete mulheres que ainda estão no período reprodutivo. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva, grande parcela dos casos são de adolescentes. Além disso, cerca de 40% das mulheres com infertilidade têm endometriose.

 

Ainda não se conhece exatamente as causas dessa condição, porém existem algumas teorias. Uma das mais conhecidas é a da “menstruação retrógada”, quando o fluxo sanguíneo volta pelas tubas uterinas. Outras hipósteses apontam para falhas no sistema imunológico e fatores genéticos.

 

Como diagnosticá-las e tratá-las

 

Ambas as doenças podem ser diagnosticadas por meio de avaliações ginecológicas e exames laboratorais e de imagem. O tratamento dessas condições varia de acordo com cada caso, mas pode incluir o uso de medicamentos hormonais, analgésicos e anti-inflamatórios e, em situações mais graves, cirurgias específicas e até remoção do útero.

 

Saiba mais sobre endometriose: O que é endometriose?

Voltar